VIDA, CONSCIÊNCIA E ESPIRITUALIDADE

Uma Vivência de Conscientização Energética

 

Você passa a maior parte do tempo achando que está tudo bem com você – você sente, de vez em quando, um desconforto e um aperto no peito que não sabe bem explicar de onde vem e nem o porquê, mas isso é normal, certo? Quer dizer, quem não se sente vazio de vez em quando? Quem não acha que, vez ou outra, falta algo a lhe preencher a vida por dentro? Que, um dia, tudo fará sentido? Talvez quando você conquistar aquele objetivo, satisfizer aquela meta, alcançar tal alvo. Certo? Não é dessas pequenas conquistas que a vida é feita?

De vez em quando tudo está bem e, quando tudo está bem, você quase se convence de que tudo está em seus devidos lugares. Você olha para seus amigos e enxerga seus problemas e você assiste ao noticiário e fica sabendo das desgraças do mundo e então você pensa: “tenho realmente muita sorte, não tenho do que me queixar, a vida tem sido muito boa comigo, preciso me sentir grato”. Nestes momentos você quase se esquece da insônia que às vezes lhe acomete e da sensação de estranhamento que te invade o peito de repente, numa terça-feira as 3 da tarde. “Sim, a vida é assim mesmo. Tenho que agradecer mais do que pedir”.

“Tenho que…”. A necessidade de agradecer pela sua vida é só mais uma das que você possui. Você precisa de tantas outras coisas – ser amado, respeitado, valorizado. Você precisa mostrar aos seus pais o bom filho que é e ao seu chefe o bom profissional no qual se transformou e à sua esposa ou ao seu marido o quanto ela ou ele estavam certos quando decidiram passar o resto da vida ao seu lado. E, se não for seu caso, você precisa do namorado ou da namorada ou do filho ou do carro ou da casa ou das férias no exterior, que é para você tirar muitas fotos do seu sorriso de contentamento e estampar nas redes sociais, para que todos que te conhecem e até os que nem tanto assim concordem que a sua vida é uma boa vida e que, sim, você tem muito o que agradecer e muito pouco do que se queixar.

Mas às vezes – apenas às vezes – o bicho papão sai do armário na calada da noite e te puxa pelos pés e te arrasta para um mundo sombrio onde você não entende os motivos de estar aqui. Às vezes isso acontece ao final de uma reunião demorada no trabalho, quando tempo demais se passou para que você continue a se convencer de que tem que agradecer pelo trabalho que te possibilita pagar as contas e as viagens para que as fotos convençam os outros e a si mesmo de que você está bem. E às vezes isso acontece quando, ao fazer o jantar, você pensa que seu marido está muito entretido no celular e “com quem será que ele está falando” e, daí, você não consegue disfarçar a expressão de desconfiança quando ele te agradece pela comida maravilhosa que você preparou para ele – “está bonzinho demais, acho que vou dar uma olhadinha no celular dele quando entrar no banho”, para se sentir péssima no momento seguinte. Talvez o bicho papão surja quando você nem percebe mas levanta a voz para seu filho, ou seus amigos, ou seu funcionário, ou para o motorista do carro ao lado no trânsito, ou com o vizinho que votou no candidato adversário ao seu. Ou talvez ele venha à tona na refeição gordurosa e pouco saudável que você engole às pressas as duas da manhã, no mesmo dia em que prometeu a si mesmo que encararia aquela reeducação alimentar – e então vem a sensação de ser um lixo, um fraco, um perdedor. E então…

E, então, você se pergunta: “o que há de errado comigo?”. E, então, vem a culpa. E, então, você tem certeza de que vai perder todas as coisas pelas quais você acha que deveria se sentir grato, você começa a achar que algo de ruim vai te acontecer ou então aos seus. Você sente um medo tão grande e uma certeza tão grande de que é errado, muito errado, que promete fazer tudo diferente. Você disfarça a crise de ansiedade tomando um calmante que a vizinha disse que é natural, ou relaxa tomando a dose de whisky bem merecida depois de toda a luta pela sobrevivência. Você acende um cigarro atrás do outro compulsivamente tentando não pensar no fato de que está se matando lentamente ou usa drogas ilícitas na tentativa de obter algum tipo de anestesia – mas seus amigos fazem a mesma coisa, até mesmo a atriz famosa, então a vida é assim mesmo, certo? A vida de todo mundo é assim, contos de fadas não existem, não se pode ter tudo e é melhor um pássaro na mão do que dois voando! Certo? Não é assim?

É assim, se você quiser que seja. Ou, então, tudo pode ser muito diferente.


VIDA, CONSCIÊNCIA E ESPIRITUALIDADE

Se você se identificou com o texto acima, saiba que não é o único. A maioria das pessoas que eu conheço vivem exatamente este mesmo quadro – e eu mesma fui assim durante anos, para não dizer décadas, da minha existência. E é justamente por ter trilhado alguns caminhos que me tiraram deste ciclo vicioso que eu me disponho, agora, a te levar pelos cantos por onde andei para estar em um lugar de maior alinhamento hoje. Te convido a participar desta jornada comigo: uma jornada pelos recônditos escondidos de seu próprio Ser.


AUTOCONHECIMENTO E ALINHAMENTO ENERGÉTICO

Baseado no entendimento e compreensão dos Granthis, sistema desenvolvido ao longo de milhares de anos na tradição Hindu e que descreve obstáculos e desafios psicoemocionais na caminhada de desenvolvimento pessoal de todos nós, seres humanos, o workshop é desenvolvido através da prática de meditações ativas e passivas, práticas energéticas e danças circulares. Além disso, teremos importantes momentos de partilha acerca de nossas próprias dificuldades e desafios para que possamos trocar experiências e crescer uns com os outros.


IMPORTANTE

Para participar não é necessária nenhuma experiência prévia em práticas energéticas ou modalidades meditativas, e nem o conhecimento teórico acerca de tema algum… Apenas o desejo genuíno de avançar um pouco mais na direção de si mesmo!


ONDE?

Espaço Vajra – Práticas de Autodesenvolvimento

Vila Mariana, São Paulo – próximo à estação Ana Rosa do metrô.


QUANDO?

11 e 12 de abril de 2015

Sábado – 11/04 – das 9h00 as 19h00

Domingo – 12/04 – das 10h00 as 17h00

* Observação: por questões de aproveitamento e continuidade, não é possível participar apenas de um dos dias da vivência.


QUANTO?

R$600,00 à vista ou 2 x R$340,00


POLÍTICA DE CANCELAMENTO

Ao solicitar a desistência de sua participação até 30 dias antes do início da vivência, a devolução do valor pago até então será de 100%. Para desistências solicitadas até 15 dias do início, a devolução será de 50% do valor pago até então. Para desistências solicitadas até 8 dias do início, a devolução será de 25% do valor pago. Desistências solicitadas com prazo inferior a 8 dias não serão ressarcidas. Ao prosseguir com o processo de inscrição, entendemos que você leu e está de acordo com estes termos.


COMO?

Se sentir o chamado no coração, entre em contato através do email contato@flaviamelissa.com.br e aguarde informações para pagamento!


VAGAS LIMITADAS!!