SOBRE A FELICIDADE

Sobre a Felicidade

Definir felicidade é uma tarefa árdua e que vem sendo objeto de estudo há séculos. A Biologia, Psicologia, Filosofia e as Religiões tentam, há muito, descrever o que afinal de contas é felicidade, e quais são suas fontes e origens.

Resumidamente, podemos tratar a felicidade como um estado mental ou emocional de bem-estar, caracterizado por emoções positivas ou agradáveis. Várias vertentes de pesquisa, incluindo a Psicologia Positiva, buscam estabelecer métodos científicos para a mensuração da felicidade; entretanto, a busca continua, sem que resultados satisfatórios tenham sido encontrados.

A principal dificuldade em desenvolver esta almejada “Ciência da Felicidade” parece ser a grande batalha que é descrever o que causa a felicidade, e a total subjetividade de suas raízes. Algumas pessoas se sentem felizes por determinados motivos, mas estes motivos não se aplicam a todos os grupos de pessoas. Aparentemente, as causas da felicidade são tantas quanto são as naturezas humanas – infinitas e imensuráveis.

Atingir um estado de felicidade se torna, assim, tão complexo quanto o próprio psiquismo humano o é. Felicidade pode ser confundida, por alguns, com dinheiro. Por outros, com beleza. Alguém pode se sentir feliz diante de um belo pôr do sol, enquanto outros a resumem em um prato de comida. Assim, a felicidade enquanto objeto Uno, passível de ser alcançado por todos, não existe. Absolutamente como tudo na vida, a felicidade também é relativa, e depende de inúmeros fatores – sociais, culturais, econômicos e de sobrevivência. Em nossa sociedade atual, caracterizada pelo consumo, a felicidade é constantemente associada a adquirir algo que ainda não possuímos: a casa na praia, o mais moderno computador, o brilho no cabelo, a barriga perfeita, a televisão de tela plana de alta definição. E, sendo projetada para o que existe fora de nós, a felicidade sempre durará muito pouco, pois sempre existirá uma casa maior, mais bonita, em uma praia mais bela. Sempre inventarão um computador mais avançado, uma televisão maior, uma nova moda nos cortes de cabelo ou um padrão de beleza mais idealizado.

O sonho humano de felicidade é, assim, irreal e ideal, moldado pela sensação de conforto e prazer, e tais noções mudam com o passar dos anos e com a fase de desenvolvimento pessoal e amadurecimento psicológico de uma pessoa. Quando perseguimos determinado objetivo e o conquistamos, nos sentimos felizes; mas esta felicidade não corresponde, no entanto, ao sentido profundo e à magnitude dos quais a ideia de felicidade é revestida.

Se você continua na busca pela sua felicidade, procurando a última peça do quebra-cabeça que se encaixará formando a imagem de felicidade e dando sentido à tudo no jogo da vida, reflita: você já passou a maior parte da sua vida fazendo exatamente isso. Você, eu e todos os seres humanos que existem – tirando uns poucos iluminados – passamos a maior parte de nossos anos de existência perseguindo o ideal da felicidade duradoura. Nunca conseguimos entender, entretanto, que essa busca vem sendo nossa maior inimiga, e que quanto mais perseguimos a felicidade, mais nos distanciamos dela.

A felicidade duradoura é uma meta impossível, pelo simples fato de que absolutamente nada na vida é permanente. Assim como as estações do ano se sucedem em um ciclo sem fim, as nossas células se renovam a cada instante. A vida é sinônimo de mudança, portanto, as coisas nunca permanecerão sem se transformar, e nós sempre estaremos nos adaptando a estas transformações: tudo o que existe nasce, cresce, amadurece, deteriora e morre. Nenhuma emoção ou sentimento é duradouro. Com a felicidade não seria diferente. Ela sempre estará a ir e vir.

Além disso, tudo que chega a seu extremo imediatamente começa a se transformar em seu oposto. É assim com o Sol, que ao atingir seu ápice no céu ao meio-dia, imediatamente passa a diminuir, dando espaço à Lua. Também as águas que se evaporam e sobem aos céus: quando atingem o máximo de condensação das gotículas, elas se tornam pesadas e caem de volta na Terra. Assim é também conosco: depois de nos tornarmos adultos maduros, começamos a envelhecer, e um dia morreremos. O outro lado da felicidade é a tristeza: alcançar a felicidade máxima é, também, começar a caminhar na direção da tristeza.

Não precisamos atingir uma felicidade duradoura. Ela não precisa ser duradoura, maior, permanecer conosco durante toda a eternidade. Precisamos de contentamento, precisamos de satisfação com nossas vidas – o que não implica na noção de perfeição. A vida não precisa ser perfeita para ser boa. Você não precisa ser perfeito para ser bom. Você precisa ser você: sonhar seus sonhos e caminhar na direção dos que deseja transformar em realidade. Pedras vão surgir no caminho e, diante delas, podemos fazer duas coisas: ou nos lamentamos e desistimos de caminhar, achando que porque a pedra está ali o caminho não é bom o suficiente… Ou tiramos a pedra do caminho, mesmo que dê um pouco de trabalho. Podemos guardá-la em algum lugar e, mais para a frente, nos utilizar dela para fazer fogo, junto com um graveto. Ou para construir um castelo.

O que estou sugerindo é: reconheça a dor. Acolha a dor: ela é inevitável. A frustração é inevitável, mas não devemos evitá-la, e sim abraçá-la, aprender com ela. A frustração faz parte de quem somos, diz sobre nossos sonhos e metas e pode nos ajudar a crescer; basta que a exploremos e ouçamos atentamente o que ela tem a nos dizer. Isto é contentamento: aceitar a vida como ela é. Quando aceitamos a vida como ela é, e as coisas como elas são, aceitamos a nós mesmos como somos – com nossas qualidades e defeitos.

Felicidade é isso: é o que é. É amar o que é, e a infelicidade é não amar o que é. Quando aceitamos o que é, não somos felizes por causa de coisas, e sim apesar das coisas. Descobrimos que a felicidade não é o destino, mas sim o próprio caminho – o ato de caminhar.

Gostou? Então nos ajude a espalhar esta mensagem por aí.

Cadastre-se para receber minhas newsletters com novidades do mundo do autoconhecimento e receba uma linda meditação guiada para empoderar sua busca por consciência e equilíbrio emocional!

  • Deixe seus dados, receba meus conteúdos transformadores e ganhe uma linda meditação para desenvolver equilíbrio emocional!

  • Flavia Melissa

    Sobre

    Flavia Melissa é psicóloga, educadora emocional e criadora do Portal Despertar, uma plataforma online auxiliar do processo de autoconhecimento que vem transformando a vida de centenas de pessoas. Considerada pelo Estadão uma das 14 Youtubers brasileiras para conhecer e acompanhar, lançou seu primeiro livro em janeiro de 2017, que entrou para a lista dos mais vendidos da Veja logo no pré-lançamento.