0
Como seguir o coração quando a situação é desfavorável?

Como seguir o coração quando a situação é desfavorável?

P: “Eu acredito que devamos seguir o coração, o entusiasmo, o que nos faz vibrar e nossos olhos brilharem. Mas como fazer isso se a situação não é adequada pra que sigamos o coração? Eu sei o trabalho que me faria feliz, mas o trabalho que eu faço ganho mais, porém sou infeliz. A faculdade que eu gostaria de fazer não existe na minha cidade, e agora não sei que faculdade fazer porque não seria algo com o quê eu sonhe. O que fazer quando se quer seguir o coração porém não é possível?”

R: Acredito que o primeiro passo, e o mais importante deles, você já deu: você acredita que seu coração tem a melhor resposta para suas perguntas, sabe que seu trabalho não te faz feliz mas que dinheiro vem sendo um valor mais importante do que satisfação e quais cursos te encantariam mais, quais menos. Estar ciente de tudo isso já é muita coisa. Então, antes de qualquer coisa, respire fundo e repita para si mesma que você já está no caminho. Porque você está.

De tudo o que você escreveu, o que mais me chama a atenção é a sua percepção da quantidade de obstáculos que existem entre você e a realização dos seus sonhos. Você enxerga que a situação não é adequada para realizar seus sonhos, e compreendo que você seja capaz de pensar desta forma. Mas sabe o que eu entendo do que você está dizendo? Que apesar de saber uma série de coisas, você ainda não está insatisfeita com sua vida ao ponto de arriscar ir atrás do que, em tese, te faria feliz.

Tudo na vida é uma questão de custo x benefício – ao menos na minha percepção – e todos nós possuímos esta balancinha lá no fundo, dentro de nós. Por exemplo: estou aqui escrevendo estas palavras e, ao mesmo tempo, sinto fome. Minha balancinha interna faz uma continha simples e decide que a fome que estou sentindo não é suficiente para que eu deixe de escrever este texto e vá para a cozinha preparar o almoço. E vou manter minha decisão até o momento em que a fome apertar e eu decidir, através desta balancinha, que está na hora de comer. Aplique este mesmo funcionamento a qualquer um dos impasses que você experimenta e você vai perceber que não sai do seu trabalho em busca de um que te satisfaça mais porque ainda não chegou a seu ponto máximo de insatisfação, e por aí vai.

Lembra das aulas de Física, da escola? Mais especificamente da Lei da Inércia, a primeira Lei de Newton da Mecânica Clássica? Relembrando o que ela diz: “Todo corpo mantém o seu estado de repouso ou de movimento uniforme seguindo uma linha reta, se não for compelido a mudar o seu estado por forças nele impressas”. Ou seja: todos nós tendemos a nos manter fazendo as mesmas coisas que estamos fazendo, a não ser que algo nos faça mudar a rota de acordo com a qual estamos vivendo nossas vidas. O que estou querendo com isso é dizer que, em um primeiro momento, qualquer mudança vai acarretar em certo esforço e trabalho. Não é porque você acredita que viver de acordo com o que te manda o coração é sua melhor escolha que, em um passe de mágica, tudo vai cair no seu colo sem que você tenha que pagar alguns preços para isso. E, o que me parece é que, ao menos no momento, na balancinha custo x benefício, o preço que você teria que pagar seria um custo alto demais para obter o benefício que você almeja.

Tudo bem se isso for verdade, ok? Tudo bem que você não se sinta pronta para fazer as mudanças necessárias e pagar os preços que seriam imprescindíveis de serem pagos para caminhar na direção do que deseja viver. O importante é entender e admitir isso para si mesma. Não existe nada te impedindo de caminhar na direção do que te diz seu coração, a não ser o medo do novo ou crenças limitantes que te impeçam de ter comportamentos diferentes dos que usualmente você tem.

Procurar um terapeuta ou um coach que te auxiliem a compreender o que está em jogo por trás do medo das mudanças pode ser uma ótima ideia, mas não se iluda: nada vai acontecer de diferente na vida de ninguém se não houverem mudanças acontecendo em termos de comportamento. Não existe como colher coisas diferentes se você continuar plantando sempre as mesmas sementes. E a maior insanidade que existe é achar o contrário.

Boa sorte!

Sobre flavia