0
Tinha sonhos e planos, mas hoje me sinto desesperada!

Tinha sonhos e planos, mas hoje me sinto desesperada!

P: “Minha vida inteira sofri com problemas de ansiedade social, fugi de diversas situações, vivi com medo e insegurança com relação à minha autoimagem. Sempre fui muito sonhadora, gostava de imaginar minha vida como eu queria viver mas não tinha coragem. Tive diversas perdas familiares, meu avô e meu pai faleceram e até hoje sinto demais estas perdas. Me sinto muito desprotegida e insegura. Tenho me esforçado, tenho meditado, me exercito, faço Yoga, mas continuo sentindo no coração este vazio enorme. Faço tratamento psiquiátrico e estou com a ansiedade controlada, mas me sinto péssima por precisar tomar remédios. Fiz alguns meses de terapia mas não foi muito satisfatório, sinto que as pessoas não se sentem tão motivadas a me ajudar por eu não pagar nada, já que os atendimentos são pelo SUS. Agora faço análise mas também é um projeto gratuito e após 6 meses terei que começar a pagar e não tenho condições; além disso a analista me julga de uma forma tão fria, eu já faço isso comigo e não preciso que mais ninguém o faça. Preciso de alguma direção, alguém que me ajude a entender o que se passa comigo, o que são todos estes sentimentos, todo este vazio. Sinto que não sou nada, que não sou ninguém! Tinha sonhos, onde eles estão? Às vezes penso em sair da vida; eu não sou isso. Ninguém consegue me ajudar, não sei mais o que fazer!”.

R: A primeira coisa que sugiro que você faça é que inspire o ar lentamente, segure o ar durante 3 segundos em seus pulmões e depois o solte, vagarosamente.

Sua mensagem me passou a impressão de que, antes de mais nada, você está precisando desesperadamente respirar. Do jeito que você conta as coisas, parece que você realmente se enxerga como um “caso perdido”, porque você tem a sensação de que ESTÁ FAZENDO TUDO O QUE PODE, e que nada está dando certo. Espero que você me entenda ao dizer isso: mas eu sou capaz de apostar que existe algo mais que você pode fazer, e que não está fazendo. Como você acompanha o meu trabalho, os meus videos e minhas postagens por aí, você sabe que eu acredito que todos nós somos cocriadores de nossas próprias vidas; você sabe que não compro a ideia de que existem vítimas, bandidos ou salvadores FORA DE NÓS. Aceitar a ideia de que você está fazendo tudo o que pode e que ainda assim não está sendo capaz de mudar sua vida, aceitar que esta ajuda necessariamente vai ter que vir de fora porque o “de dentro” não está dando conta… Seria comprar a ideia de que você é incapaz, e que depende de mais alguém a não ser você mesma. E eu não compro esta ideia – e você sabe disso, porque me acompanha já faz algum tempo.

Então, eu sinceramente acho que você me escreveu justamente para te dar este chacoalhão: existe, SIM, alguma coisa que você não está fazendo. Vou fazer algumas perguntas aqui que, na verdade, já tenho certeza da resposta. Você diz que sente que as pessoas não são motivadas em te ajudar porque os atendimentos são gratuitos. Alguma vez você disse que sente isso para os profissionais que te acompanham? Alguma vez você disse para sua analista que a considera fria? Aposto que não! Isto quer dizer que existe uma pessoa dentro de você que não está sendo olhada – não está sendo trazida à superfície: esta que acha que não merece a motivação dos outros se não estiver dando algo em troca. O que você não percebe é que estes profissionais ESTÃO SENDO PAGOS. Não é porque você não paga diretamente a eles que eles estão te fazendo algum favor. Mas parece que é assim que você encara, como se eles estivesse te atendendo como um favor: alguma vez você já disse a sua terapeuta ou analista que se sentia desta forma?

Não estou querendo dizer aqui que esta é a saída todos os seus problemas, estou apenas apontando determinadas portas que você ainda não abriu, e que estão apenas esperando, sem trancas e nem fechaduras, que você as abra e explore partes de si mesma que ainda lhe são desconhecidas, mas que fazem tanta parte de você mesma como todas as outras que você já conhece há anos. Você fala de uma sensação de vazio no seu coração. Eu acho que a única coisa que vai conseguir ocupar este vazio É VOCÊ MESMA – talvez esta você, que pensa uma série de coisas e que apenas é julgada, nunca ouvida. Uma você que nunca recebeu permissão de se expressar quanto ao que verdadeiramente sente e pensa ♡

Outra coisa que reparei é que você não faz nenhuma menção à sua vida espiritual – não digo religião em si, mas à sua vida espiritual. E seu corpo espiritual faz tanta parte de você quanto o físico, o mental e o emocional. Acredito que estejamos vivendo tempos de restabelecer esta conexão com o todo, com os outros seres, com Deus – ou seja lá o nome que você queira dar ao Universo ou o administrador desta coisa toda. E acredito que este trabalho de desenvolvimento interno da fé e da esperança ligados à espiritualidade pode lançar luz em porões sombrios que nunca foram iluminados.

Mas, o mais importante: se você realmente tivesse perdido seus sonhos e planos, não estaria citando-os nesta mensagem. Você fala deles no passado, como se eles tivessem desaparecido, mas se resta uma lembrança – uma memoriazinha que seja – dos sonhos que você sonhou e dos planos que você fez um dia, agarre cada uma destas lembranças e use como os pedacinhos de pão que João e Maria foram deixando pela floresta, para que pudessem voltar para casa. Você pode estar em uma floresta escura agora, mas acredite em mim: seus sonhos e planos estão lá, marcando o caminho de volta, ao contrário do conto de fadas em que algum bicho os comeu. Ninguém comeu seus sonhos. Ninguém comeu seus planos. Eles estão todos aí, bem vivos, dentro do seu coração. Basta acordá-los.

Sobre flavia