0
Amizade rompida e perdão

Amizade rompida e perdão

P: “Tive um relacionamento de amizade e afinidade com uma pessoa, mas com o tempo pude perceber que eu estava projetando o que eu queria que essa pessoa fosse, sendo que na realidade, essa pessoa me magoou. Eu não fiquei com raiva e nem mágoa, apenas necessito não ficar mais na presença dessa pessoa, porque me sinto mal. Não sinto nada por esta pessoa, mas a quero longe de mim. Não entendo o que sinto, eu me relacionava muito bem com ela mesmo com seus defeitos, eu perdoava muitas coisas, mas chegou a um ponto em que preferi dar um basta. Sinto-me melhor assim, mas eu não querer a presença da pessoa, apenas uma amizade de oi, mas a querer distante de mim, isso quer dizer que não a perdoei totalmente???”.

R: Esta pergunta é muito importante, porque frequentemente as pessoas confundem perdão com passar por cima do aconteceu e voltar ao relacionamento que existia antes da mágoa ou decepção acontecer: uma coisa não tem nada a ver com a outra.

Do modo como eu entendo, o perdão tem a ver com se abster do sofrimento relacionado ao que a pessoa te fez. É interromper o ciclo tortuoso da mente de ficar repassando cada detalhe do que aconteceu, tentando entender porque a pessoa agiu como agiu, na indignação de ter sido magoado. Por isso digo e repito: o perdão não tem a ver com o outro, e sim com você! Você pode perdoar uma amiga que te magoou e, ainda assim, preferir não manter a amizade.

No seu caso, me parece que você já identificou o que aconteceu: você projetou nesta pessoa uma coisa que não existia, e simplesmente atingiu, conscientemente, um ponto em que não acha mais válido conviver com esta pessoa. Relacionamentos são uma balancinha “custo x benefício”: você identifica que a pessoa tem defeitos, mas nesta balança acha que “vale o quanto pesa”, e mantém o relacionamento – afinal, não existem pessoas perfeitas e nem relacionamentos perfeitos. Me parece que, nesta situação específica, não está mais valendo o quanto pesa, e está tudo certo!

Entretanto… Devo te dizer uma coisa que percebi, e vou copiar e colar aqui a sua frase: “(…) sendo que na realidade, essa pessoa me magoou. Eu não fiquei com raiva e nem mágoa (…)”. Como é que a pessoa pode ter te magoado e você não sentiu mágoa? Se você não sentiu mágoa, então ela não te magoou! Magoou ou não magoou?

Acredito que muitas das nossas questões referentes ao perdão vêm do fato de que não temos plena consciência a respeito de nossos próprios sentimentos relacionados à quem nos feriu. Muitas vezes não nos sentimos no direito, ou  nos julgamos, por sentir mágoa. Como se tivéssemos que ser magnânimos e não nos abalarmos com as atitudes dos outros.

Apenas reflita: quando não há mágoa, não há necessidade de perdão – simples assim.

Sobre flavia